Sign in with Twitter Sign in with Facebook

Type the topic in any language to check out real time results of Who's Talking on Social Media Sites


Trending Topics: 好子#DilminhaMeResponde"Frisco"Resign PabloLady Eli昨日のハロウィンクローバー公開#ThePinkPrintCover#EkremicGümüşhaneÜniversitesi#Zankieween#baytahmingecesi数学100分TwitSuvarisi TayfaSeriKazanıyorOkanAhmete MatematikAnlatıyor#PartyPotterDay#gothatthebbcZayn de Batman#SensizOlmuyorÇünküStrawberry SwitchbladeDünyaKobani GünüİptalOldu#GeceleriDüşündüğüm#5HFridayHalloweenSpecial#OdeioCalorPorque#enbüyükyanlışım1KasımdaÖzel HarekatSokakta#SeasonofMischiefDemiLovato凛ちゃん誕生日おめでとう#ScaryStoriesIn5WordsプーちゃんぷーちゃんRenata Vasconcelos姫君今年もあと2ヶ月#SFGParade町会議#BPGiveawayMicky FlanaganJohn QKasım#grahamnortonFreddy vs JasonPatricia Poeta模試ですライフストリームシグナーShakespeare's SisterBad JudgeSquirtle#KurganGözyaşıdağlarıWe Are Here For You Lucy#QueremosVanMesquitaNoClubeMetropoleSisters of MercyElsasSokaklarTeröre TeslimEdilmeyecek#SpaceShipTwo#DemocratHorrorMovies#CamillaUckersMeSegueGeração BrasilフェレールEric FreinJoe Paniklast minute Halloween costumesNational Cat DayHappy HalloweenMadison BumgarnerAmelia EarhartJose CansecoBurkina FasoTim Cookflorida state footballLebron Jamescleveland cavaliersBig Bang TheoryHalloweenMayor Meninonew orleans saintsDaniel RadcliffeKatt WilliamsJessica BielMore

Most recent 66 results returned for keyword: Escola da Ponte (Search this on MAP)

Flickr Eu e prof José Pacheco - Escola da Ponte Feliz demais!!!
Tags: square   squareformat   iphoneography   instagramapp   xproii   uploaded:by=instagram   

Recent Updated: 9 months ago - Created by Miriam C.Pinto - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Miriam C.Pinto
Flickr Carlos Henrique
Tags: vision:people=099   vision:face=099   vision:outdoor=0916   
Período de calor intenso no Rio, impossível não suar! Apesar de tudo o professor, Carlos Henrique, não fugiu das minhas perguntas e respondeu todas com muita sabedoria, o que gostaria de ver em todos os nossos professores.

1.Tem quantos anos?
-32 anos.

2. Casado?
-Não.

3.Tem filhos?
-Não.

4.Trabalha?
- Sim, sou professor.

5.Por que escolheu o magistério?
-Foi uma escolha que veio com o tempo. Trabalhava na parte administrativa de uma empresa e quando pensei em fazer uma faculdade, escolhi um curso que eu não precisasse ficar preso a um único ambiente e como já gostava muito de ler, decidi para faculdade de história.

6.Se formou quando?
-Minha primeira graduação foi em 2004, em história depois fiz teologia e recentemente fiz mestrado em ciências sociais.

7.Acha que a história do Brasil foi um fato concreto ou existem muitas coisas discutíveis?
-O passado sempre será uma construção a partir de interesses. Não é que Dom Pedro não tenha existido ou que não tenha passado por tais lugares, mas toda a realidade envolve relações humanas que são sempre muito dinâmicas e que envolvem interesses, por isso, não podemos concretizar nada, fora o fato da existência de tais personagens.

8.Você dá aulas para crianças?
-Sim, dou aula no para o Estado, na rede pública, trabalho com jovens, adolescente...

9.É difícil?
-É difícil até porque o modelo de escola que temos não favorece muito. Um sistema de escolas muito deficitário de uma visão atual de educação. Aquele mesmo modelo de sala de aula, quadro, carteiras, uma atrás da outra, disciplinas divididas em horários como se fosse uma fábrica. Tudo bem que deva existir uma organização, mas já passou da hora de mexer em alguma coisa, pois as crianças acabam aprendendo muito mais em outros espaços.

10.Qual seria um sistema de ensino diferenciado do que conhecemos?
-Existem experiências aqui no rio ou até em outros países, como em Portugal, que existe a Escola da Ponte, onde ensinam o aluno a gostar de aprender.
O problema do nosso sistema são alunos que gostam de respostas prontas, decoreba, e se você tira o trilho e muda o rumo ele se perde.
Se pararmos para pensar, até as provas para se escolher profissionais de educação, são totalmente erradas. Múltipla escolha, não avalia ninguém. As pessoas são preparadas para dar aulas e sim para passar nas provas.

11.Quando não está trabalhando está fazendo o que?
-Gosto de ler, praticar atividades físicas como correr e andar de bicicleta, ouço música, gosto de coisas que me colocam em contato com o mundo.

12.Tem planos para 2014?
-Planos de continuar estudando, quero fazer doutorado em teologia e colocar em prática meus estudos sobre religião, mediando conflitos em um mundo que falta o diálogo.

13.Tem algum sonho?
-Eu faço tudo que eu gosto, a vida já é um sonho, rsrsr... uma coisa que poderia dizer é que nunca quero perder o encanto pela vida.

14.Pergunta que faço para todos, já sei sua resposta, mas aí vai: Você acredita em Deus?
-Acredito.

15.Qual sua religião?
-Presbiteriana.

16.Acredita em milagres?
-A partir do que eu entendo como milagre, não. Pode ser que um dia mude de ideia mas agora, por precaução, não. Rsrsrsrsrsr

Recent Updated: 9 months ago - Created by Projeto Penha RJ - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Projeto Penha RJ
Flickr 431212

ruasdoporto.blogspot.pt/2012/12/rua-de-tanger-escola-da-p...
Recent Updated: 1 year ago - Created by TeoDias - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - TeoDias
Flickr 00740010

Eu na Escola da Ponte
Recent Updated: 2 years ago - Created by Corintha2012 - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Corintha2012
Flickr José Pacheco
Tags: ted   unisinos   tedx   josépacheco   escoladaponte   tedxunisinos   zépacheco   zédaponte   
Fotos: André Ávila
Recent Updated: 3 years ago - Created by TEDxUnisinos - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - TEDxUnisinos
Flickr José Pacheco
Tags: ted   unisinos   tedx   josépacheco   escoladaponte   tedxunisinos   zépacheco   zédaponte   
Fotos: André Ávila
Recent Updated: 3 years ago - Created by TEDxUnisinos - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - TEDxUnisinos
Flickr José Pacheco
Tags: ted   unisinos   tedx   josépacheco   escoladaponte   tedxunisinos   zépacheco   zédaponte   
Fotos: André Ávila
Recent Updated: 3 years ago - Created by TEDxUnisinos - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - TEDxUnisinos
Flickr José Pacheco
Tags: ted   unisinos   tedx   josépacheco   escoladaponte   tedxunisinos   zépacheco   zédaponte   
Fotos: André Ávila
Recent Updated: 3 years ago - Created by TEDxUnisinos - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - TEDxUnisinos
Flickr José Pacheco
Tags: ted   unisinos   tedx   josépacheco   escoladaponte   tedxunisinos   zépacheco   zédaponte   
Fotos: André Ávila
Recent Updated: 3 years ago - Created by TEDxUnisinos - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - TEDxUnisinos
Flickr José Pacheco
Tags: ted   unisinos   tedx   josépacheco   escoladaponte   tedxunisinos   zépacheco   zédaponte   
Fotos: André Ávila
Recent Updated: 3 years ago - Created by TEDxUnisinos - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - TEDxUnisinos
Flickr José Pacheco
Tags: ted   unisinos   tedx   josépacheco   escoladaponte   tedxunisinos   zépacheco   zédaponte   
Fotos: André Ávila
Recent Updated: 3 years ago - Created by TEDxUnisinos - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - TEDxUnisinos
Flickr Escola da Ponte


Recent Updated: 3 years ago - Created by Pathways Educação Internacional - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Pathways Educação Internacional
Flickr Escola da Ponte


Recent Updated: 3 years ago - Created by Pathways Educação Internacional - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Pathways Educação Internacional
Flickr Escola da Ponte


Recent Updated: 3 years ago - Created by Pathways Educação Internacional - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Pathways Educação Internacional
Flickr Escola da Ponte


Recent Updated: 3 years ago - Created by Pathways Educação Internacional - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Pathways Educação Internacional
Flickr Escola da Ponte


Recent Updated: 3 years ago - Created by Pathways Educação Internacional - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Pathways Educação Internacional
Flickr Seminário desafios da educação contemporânea
Tags: furb   seminarioeducaçãocomtemporânea   
Foto: Daniel Zimmermann

Seminário discute desafios da educação contemporânea

Professores e técnicos administrativos estão convidados para o seminário “Currículo Integrado: refletindo os projetos pedagógicos dos cursos da Universidade”, que será ministrado pelo professor José Pacheco, nesta segunda-feira, 18 de julho, das 18h às 20h 30 no Auditório Professor Milton Pompeu da Costa Ribeiro, Bloco J, câmpus 1.

As inscrições devem ser feitas no Portal do Servidor, em www.furb.br/portalrh para a obtenção de certificado de participação.

O objetivo do seminário é contribuir ao amadurecimento dos cursos de licenciatura da Universidade, especialmente. Após a palestra, o professor estará à disposição para reflexões acerca dos desafios contemporâneos da educação.

José Francisco Pacheco, educador português aposentado, reside atualmente no Brasil, é Especialista em Música e em Leitura e Escrita, mestre em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. Coordenou, desde 1976, a Escola da Ponte, da qual é idealizador, instituição que se notabilizou pelo projeto educativo inovador, baseado na autonomia dos estudantes.

Recent Updated: 3 years ago - Created by FURB_Oficial - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - FURB_Oficial
Flickr Seminário desafios da educação contemporânea
Tags: furb   seminarioeducaçãocomtemporânea   
Foto: Daniel Zimmermann

Seminário discute desafios da educação contemporânea

Professores e técnicos administrativos estão convidados para o seminário “Currículo Integrado: refletindo os projetos pedagógicos dos cursos da Universidade”, que será ministrado pelo professor José Pacheco, nesta segunda-feira, 18 de julho, das 18h às 20h 30 no Auditório Professor Milton Pompeu da Costa Ribeiro, Bloco J, câmpus 1.

As inscrições devem ser feitas no Portal do Servidor, em www.furb.br/portalrh para a obtenção de certificado de participação.

O objetivo do seminário é contribuir ao amadurecimento dos cursos de licenciatura da Universidade, especialmente. Após a palestra, o professor estará à disposição para reflexões acerca dos desafios contemporâneos da educação.

José Francisco Pacheco, educador português aposentado, reside atualmente no Brasil, é Especialista em Música e em Leitura e Escrita, mestre em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. Coordenou, desde 1976, a Escola da Ponte, da qual é idealizador, instituição que se notabilizou pelo projeto educativo inovador, baseado na autonomia dos estudantes.

Recent Updated: 3 years ago - Created by FURB_Oficial - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - FURB_Oficial
Flickr Seminário desafios da educação contemporânea
Tags: furb   seminarioeducaçãocomtemporânea   
Foto: Daniel Zimmermann

Seminário discute desafios da educação contemporânea

Professores e técnicos administrativos estão convidados para o seminário “Currículo Integrado: refletindo os projetos pedagógicos dos cursos da Universidade”, que será ministrado pelo professor José Pacheco, nesta segunda-feira, 18 de julho, das 18h às 20h 30 no Auditório Professor Milton Pompeu da Costa Ribeiro, Bloco J, câmpus 1.

As inscrições devem ser feitas no Portal do Servidor, em www.furb.br/portalrh para a obtenção de certificado de participação.

O objetivo do seminário é contribuir ao amadurecimento dos cursos de licenciatura da Universidade, especialmente. Após a palestra, o professor estará à disposição para reflexões acerca dos desafios contemporâneos da educação.

José Francisco Pacheco, educador português aposentado, reside atualmente no Brasil, é Especialista em Música e em Leitura e Escrita, mestre em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. Coordenou, desde 1976, a Escola da Ponte, da qual é idealizador, instituição que se notabilizou pelo projeto educativo inovador, baseado na autonomia dos estudantes.

Recent Updated: 3 years ago - Created by FURB_Oficial - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - FURB_Oficial
Flickr Seminário desafios da educação contemporânea
Tags: furb   seminarioeducaçãocomtemporânea   
Foto: Daniel Zimmermann

Seminário discute desafios da educação contemporânea

Professores e técnicos administrativos estão convidados para o seminário “Currículo Integrado: refletindo os projetos pedagógicos dos cursos da Universidade”, que será ministrado pelo professor José Pacheco, nesta segunda-feira, 18 de julho, das 18h às 20h 30 no Auditório Professor Milton Pompeu da Costa Ribeiro, Bloco J, câmpus 1.

As inscrições devem ser feitas no Portal do Servidor, em www.furb.br/portalrh para a obtenção de certificado de participação.

O objetivo do seminário é contribuir ao amadurecimento dos cursos de licenciatura da Universidade, especialmente. Após a palestra, o professor estará à disposição para reflexões acerca dos desafios contemporâneos da educação.

José Francisco Pacheco, educador português aposentado, reside atualmente no Brasil, é Especialista em Música e em Leitura e Escrita, mestre em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. Coordenou, desde 1976, a Escola da Ponte, da qual é idealizador, instituição que se notabilizou pelo projeto educativo inovador, baseado na autonomia dos estudantes.

Recent Updated: 3 years ago - Created by FURB_Oficial - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - FURB_Oficial
Flickr Seminário desafios da educação contemporânea
Tags: furb   seminarioeducaçãocomtemporânea   
Foto: Daniel Zimmermann


Seminário discute desafios da educação contemporânea

Professores e técnicos administrativos estão convidados para o seminário “Currículo Integrado: refletindo os projetos pedagógicos dos cursos da Universidade”, que será ministrado pelo professor José Pacheco, nesta segunda-feira, 18 de julho, das 18h às 20h 30 no Auditório Professor Milton Pompeu da Costa Ribeiro, Bloco J, câmpus 1.

As inscrições devem ser feitas no Portal do Servidor, em www.furb.br/portalrh para a obtenção de certificado de participação.

O objetivo do seminário é contribuir ao amadurecimento dos cursos de licenciatura da Universidade, especialmente. Após a palestra, o professor estará à disposição para reflexões acerca dos desafios contemporâneos da educação.

José Francisco Pacheco, educador português aposentado, reside atualmente no Brasil, é Especialista em Música e em Leitura e Escrita, mestre em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. Coordenou, desde 1976, a Escola da Ponte, da qual é idealizador, instituição que se notabilizou pelo projeto educativo inovador, baseado na autonomia dos estudantes.

Recent Updated: 3 years ago - Created by FURB_Oficial - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - FURB_Oficial
Flickr Escola da Ponte. Sala R.Alves.


Recent Updated: 3 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte. Pizarras.


Recent Updated: 3 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte. Cerraduras...


Recent Updated: 3 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte. Avaliação.


Recent Updated: 3 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Com Ju e Andreia na Escola da Ponte.


Recent Updated: 3 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Ane na Escola da Ponte. PT.


Recent Updated: 3 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Recreio Escola da Ponte. Portugal.
Tags: braga   

Recent Updated: 3 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr José Pacheco - Escola da Ponte
Tags: josepacheco   2010cici   

Recent Updated: 4 years ago - Created by beedieu - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - beedieu
Flickr retratos gaiatos
Tags: riodejaneiro   design   retrato   gaia   permacultura   gaiaeducation   educaçãogaia   
o maravilhoso Zé Pacheco, da Escola da Ponte

retratos dos alunos da primeira turma do gaia education do rio de janeiro

www.gaiaeducation.org
www.gaiabrasil.net/site

Recent Updated: 4 years ago - Created by tainadelnegri - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - tainadelnegri
Flickr retratos gaiatos
Tags: riodejaneiro   design   retrato   gaia   permacultura   gaiaeducation   educaçãogaia   
Zé Pacheco, da Escola da Ponte

retratos dos alunos da primeira turma do gaia education do rio de janeiro

www.gaiaeducation.org
www.gaiabrasil.net/site

Recent Updated: 4 years ago - Created by tainadelnegri - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - tainadelnegri
Flickr Picture21

A famosa Escola da Ponte, por seu projeto educativo que busca romper com a forma da escola tradicional.
Recent Updated: 6 years ago - Created by Clésio Antonio - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Clésio Antonio
Flickr A escola da Ponte
Tags: revistas   agosto2006   revistaregional   

Recent Updated: 6 years ago - Created by Publicações Deborah Dubner na mídia - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Publicações Deborah Dubner na mídia
Flickr José Pacheco, da Escola da Ponte, Portugal, em palestra no Teatro Francisco Nunes


Recent Updated: 6 years ago - Created by Iolanda Huzak - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Iolanda Huzak
Flickr José Pacheco, da Escola da Ponte, Portugal, em palestra no Teatro Francisco Nunes


Recent Updated: 6 years ago - Created by Iolanda Huzak - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Iolanda Huzak
Flickr José Pacheco, da Escola da Ponte, Portugal, em palestra no Teatro Francisco Nunes


Recent Updated: 6 years ago - Created by Iolanda Huzak - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Iolanda Huzak
Flickr José Pacheco, da Escola da Ponte de Portugal em palestra no Teatro Francisco Nunes


Recent Updated: 6 years ago - Created by Iolanda Huzak - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Iolanda Huzak
Flickr José Pacheco, da Escola da Ponte, Portugal, em palestra no Teatro Francisco Nunes


Recent Updated: 6 years ago - Created by Iolanda Huzak - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Iolanda Huzak
Flickr José Pacheco, da Escola da Ponte de Portugal, e brincante no Teatro Francisco Nunes


Recent Updated: 6 years ago - Created by Iolanda Huzak - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Iolanda Huzak
Flickr Selma_Pacheco_Moran
Tags: palestras   eventosmoran   
Num evento organizadopelo Senac e Senai de Santa Catarina, com o Prof. Pacheco, da Escola da Ponte e a Professora Selma Kovalski, do Senai-SC
Recent Updated: 7 years ago - Created by moran10 - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - moran10
Flickr RUBEM ALVES....UMA ENTREVISTA...
Tags: personalidades   
::A educação como descoberta::

..Autor de mais de 70 livros, o escritor e conferencista fala com humor e irreverência de literatura, de religião e do idioma, e diz que é preciso melhorar o ensino mesmo sem mudar o sistema ..

*Josué Machado*

Teólogo, psicanalista e ex-professor de filosofia da Unicamp, Rubem Alves redescobriu a poesia e a capacidade de se comunicar com o mundo exterior à universidade quando tinha uns 40 anos. Desde então, desenvolveu extraordinária capacidade de comunicação oral e escrita. Faz palestras por todo o país. Colabora em publicações, como Educação (Segmento). Fala e escreve com facilidade. E diz ter prazer nisso - comprovado pela rapidez com que produz: mais de 70 livros em trinta anos, como os recém-lançados A Inveja (Paulus) e Orações por Um Mundo Melhor (audiobook da Nossa Cultura). São histórias e crônicas marcadas pelo estilo filosófico, metafórico, mas claro e direto.

Avalia com ceticismo indulgente as instituições políticas e religiosas. Ri, por exemplo, do que considera obtusidade dos líderes religiosos e da unanimidade granítica em torno deles.

- Quando o papa fala em ecumenismo, ele se refere à adesão das outras igrejas à Igreja Católica; cada religião acha que detém a primazia indiscutível da verdade.

Aparentemente cheio de energia aos 73 anos, é casado, tem três filhos - dois homens e uma mulher - e cinco netas. Da filha lhe veio a inspiração inicial, ele conta, muito expressivo, na conversa que flui pontuada pelo ges­tual incansável das mãos.

Descontraído, irreverente, fala da vida, de literatura, religião, educação e língua portuguesa. Diz sonhar com a escola prazerosa, criativa, sem barreiras, desburocratizada e livre de ensinamentos que considera inúteis para crianças, como a análise sintática, "que tira o prazer de ler".

- É fundamental saber ler e ouvir!

Língua - Verdade que tem um caso de amor... com a vida, como diz o Robert Frost, lembrado por você em seu livro Perguntaram-me se Acredito em Deus?

Rubem Alves (Rindo) - É verdade. Acho o mundo fascinante. Tenho olhos parecidos com os olhos de Alberto Caeiro, que disse ver o mundo com olhos de criança, como se o estivesse vendo pela primeira vez. Na verdade a gente sempre vê o mundo pela primeira vez. O mundo que vi antes não existe mais...

E a memória dos tempos de escola? Interessava-se pelo idioma? Estudava além das obrigações?

Minhas leituras nada tinham a ver com obrigações escolares. Eram prazeres. A princípio freqüentei o grupo escolar. Depois passei a uma escola americana. Nela havia aulas de leitura: a professora lia para a gente, por puro prazer. Não ia cair na prova...

E agora? Faz muita consulta a dicionários e a livros de referência sobre a língua?

Conheci uma escola em Portugal, a Escola da Ponte, em que as crianças, logo que aprendem a ler, aprendem também o prazer dos dicionários. Mas desconfio deles. Ao retirar "estória" da língua, os dicionários cometem um assassinato. Os dicionários não, os gramáticos. Os gramáticos são os anatomistas da língua. Lidam com um corpo morto. Mas as palavras, devemos fazer amor com elas. Os poetas sabem disso.

Tem muitas preocupações com a melhor forma no texto?

Sim. Minha preocupação com a forma tem a ver com a necessidade de que ela me exprima. Minha forma varia como eu vario. Por vezes sou palhaço, por vezes sou um quebrador de ídolos, por vezes sou um poeta... Eu sou muitos.

Seus textos para o público leigo são repletos de parábolas, à moda da Bíblia. São claros, estilo direto, frases quase sempre curtas. É preciso esforço para escrever assim?

Escrevo assim porque sou assim. Descobri que o inconsciente - aquele desconhecido que me faz ser o que sou - só entende linguagem poética. Linguagem de prosa é coisa de ciência. Acho que foi o Octávio Paz quem disse que a prosa marcha e a poesia dança... Eu gostaria muito de ser um grande escritor como Mia Couto, Gabriel Garcia Marques. Não sou. Contento-me em contar estórias porque é assim que brinco com a alma. Não sei se você sabe que fui pastor protestante há muitos, muitos anos. Alguém me disse que, quanto a isso, eu me despi de tudo. Menos da paixão por tocar na inteligência e no coração de quem me lê.

E a recorrência aos textos bíblicos? Recebeu influência de outros autores orientais?

Tenho dificuldades com essa palavra "influência". Olha a etimologia! Fluir para dentro, um rio exterior que deságua no meu próprio rio. Os autores que eu poderia denominar de "influências" não foram influências. Foram descobertas. Eu os descobri como companheiros. E nem sei se fui influenciado pelos textos bíblicos. Acho que nasci um contador de parábolas. Mas os hai-kais, eles foram uma descoberta genuína. Em todo caso, alguns autores me impressionaram: Nietzsche, Camus, Unamuno, Guimarães Rosa, Bachelard, Mia Couto (moçambicano), Fernando Pessoa, Mário Quintana, William Blake.

Tem dificuldade com algum aspecto da língua?

Tenho. Vivo errando a grafia. Havia aqui em Campinas um senhor que me escrevia cartas sistematicamente para corrigir-me dos meus erros de grafia. Era como um convidado que se metia numa sopa que eu estava servindo aos meus amigos e, sem dizer que a sopa era boa, reclamava que a tigela estava lascada. Quanto ao resto, vivo transgredindo regras, de propósito. As regras da língua são para aqueles que não sabem andar e precisam de muletas. Eu me viro sem muletas e invento coisas.

O que acha da incorporação de estrangeirismos por nossa língua?

Houve um movimento na literatura chamado "antropofagia". Ele dizia que os brasileiros tinham de fazer com as coisas do estrangeiro o mesmo que os índios haviam feito com os brancos. Eles os devoravam. Por que não devorar as palavras estrangeiras? Depois de devoradas acontece com elas o que acontece com a comida: é assimilada, tornada semelhante a si...

Em seus encontros com estudantes, que impressão tem da maneira como falam ou escrevem?

Depende... Quando os adolescentes estão falando com a gente, eles falam a língua que a gente entende. Quando estão entre eles, falam a língua que só eles entendem. É inútil convencê-los a falar a língua "normal"...

E quanto aos jornalistas que de vez em quando o entrevistam? Eles se expressam bem, sabem do que falam?

São raros, raríssimos, aqueles que realmente o estão entrevistando. Uma vez me aconteceu uma coisa incrível. Estava dando uma entrevista ao vivo, para uma rádio. Pois o entrevistador fez a sua pergunta e me deixou falando sozinho com o microfone. Foi fazer algo que julgava mais importante e retornou após o tempo regulamentar. Ainda bem que ele não disse haver gostado da minha resposta. Eu tive vontade de "dedá-lo" aos ouvintes da rádio. (Esse verbo, me parece, surgiu no tempo da ditadura, para referir-se àqueles que sofriam de "esclerodactilia" (essa última palavra é invenção minha...) (esclero = duro; -dactilia = dedo, em grego).

Aprendeu outras línguas no Brasil ou alguma em suas estadas no exterior?

Aprendi inglês porque vivi nos Estados Unidos. Entendo, mas não falo francês. Italiano e alemão, "malemá" (mal-e-mal) - só para leitura. Acho divertido ver um livro que escrevi publicado numa língua que não entendo. Romeno, por exemplo...

Qual seu método de trabalho, se tem algum: é sistemático?

Meu corpo e minha alma ainda não entraram na rotina da linha de montagem. São crianças. Escrevem como quem brinca. Às vezes, correria, pique. Noutras, no ritmo do balanço. Amo escrever. Não há método para o amor. Ele acontece quando se sente tesão. E sinto sempre tesão por escrever. Fernando Pessoa sofria da mesma coisa. Escreveu: "Sinto uma erecção na alma..."

Autores dizem que começam a escrever e não sabem o que vai ocorrer depois. Que a história se conduz sozinha. Como é no seu caso?

Olha, quando vou escrever, coloco as idéias no papel, como se fossem um mapa a ser seguido. Mas sei que é inútil. Porque na viagem eu vejo cenários imprevistos e me embrenho por eles. Tenho a sensação de que, quando estou fazendo meu esbocinho, as idéias comentam: "Ele está só fazendo esboço. Não é preciso ir lá. Quando ele começar a escrever, então apareceremos..."

Trabalha lenta ou rapidamente?

Tudo depende das idéias. Há as que vêm sob a forma de cachoeiras e a digitação não consegue segui-las. Outras vêm com a vagareza de caramujos, arrastando-se. Algumas simplesmente se recusam a comparecer. É preciso, então, deixar para depois.

Usa lápis, caneta, antes do computador? Alguns, como Ferreira Gullar, ainda usam lápis ou caneta na primeira versão. Outros são fiéis à máquina de escrever.

Sempre o computador. Não por ter-me adaptado a ele. Mas porque não aprendi a ler o que escrevo a mão. Gasto muito tempo tentando adivinhar. No laptop tenho tudo arquivado e é fácil encontrar as idéias e referências. Mas entendo que haja pessoas que têm uma relação amorosa com a folha de papel. Aliás, o ato de escrever é uma metáfora sexual: o lápis pontudo tirando a virgindade da folha branca...

Demora muito para terminar um livro? O trabalho emperra às vezes?

Já tive um caso de emperramento. Trabalhei três anos num livro e cansei. Ele ficou esquecido num arquivo. Aí, de repente, lembrei-me de que Schubert compôs uma sinfonia que não conseguiu terminar. E é linda! Então, por que não publicar um livro que não terminei? Ao final eu explico ao leitor o caminho que eu iria seguir e ele que o siga por conta própria. É um livro de que gosto muito: Livro sem fim (Loyola). Gosto, de forma especial, do capítulo em que entrevisto Marx e ele me fala sobre o prazer.

Trabalha sob pressão? Obriga-se a trabalhar?

É horrível. E acontece quando se faz uma promessa a uma editora ou a editora exige. Na minha idade, tenho o direito de trabalhar segundo meu próprio ritmo.

Como se sente quando termina um trabalho? Aliviado, frustrado?

Sabe? Um autor tem um claro conhecimento do valor do seu trabalho. Quando a gente sabe que o texto é bom, fica feliz. Quando tem cons­ciên­cia de que o texto não é lá essas coisas, fica meio triste e envergonhado. Mas há uns autores que quando vendem muito, acham que o livro é bom. Não é. Por vezes o público tem gostos suínos.

De qual de seus livros ou fases gosta mais?

As fases são como sucessivas trocas de casca, tal como acontece com as cigarras. A cigarra, ser alado e musical, há de ter vergonha de sua fase subterrânea, a escura. Estou muito feliz na minha fase atual. Camus, jovem, dizia sonhar com uma fase em que escreveria por escrever, sem nenhuma preocupação com o público. Morreu antes. Eu me sinto assim. Mas não consigo me libertar do desejo de ser gostado. E acho que isso é bom. E há uma inveja terrível, verme verde: eu gostaria que meus livros fizessem pilhas nas livrarias.

Alguns de seus livros foram traduzidos para diversas línguas. Gostou das traduções?

Há casos deliciosos de engano do tradutor. Num livro meu publicado na Alemanha, o tradutor tomou "papagaio" (pipa) por papagaio, ave que fala. Não prejudicou meu livro em nada. Mas há casos em que um erro estraga tudo. O título de O Físico, por exemplo: o tradutor confundiu "physician" (médico) com "physicist" (físico).

Quais de seus livros considera os mais bem resolvidos do ponto de vista literário e de linguagem?

As Cores do Crepúsculo - A estética do envelhecer e Livro sem Fim. E não gostaria que meus livros para crianças fossem esquecidos. São para crianças e para adultos. Todos comportam um duplo nível de leitura. Um amigo me mostrou que A Menina e o Pássaro Encantado comporta três níveis. Minhas maiores alegrias vêm desses livros que já saíram em duas edições maravilhosamente ilustradas, pela Editora ASA, de Portugal.

Se pudesse, modificaria parte do que já fez?

Não. Dei a um de meus livros o título Se Eu Pudesse Viver Minha Vida Novamente. Minha resposta: viveria minha vida exatamente como vivi, com todos os seus erros. Foram os erros que me trouxeram até onde estou. E estou feliz. Se corrigisse os erros, talvez estivesse em outro lugar...

Muitos de seus textos são críticos do sistema de ensino e dos professores. Uma professora o acusou no jornal do Sindicato dos Professores de apontar defeitos sem mostrar como fazer melhor. É verdade?

Essa palavra "sistema"... Nietzsche disse que procurar um sistema é falta de integridade. De fato, jamais procurarei soluções em sistemas. Meus livros estão cheios de referências aos absurdos do atual sistema. Eu e uns amigos de Portugal, faz uns anos, resolvemos fazer uma Enciclopédia de Absurdos Pedagógicos. A idéia era boa. Mas faltou vontade. Vou dar um exemplo simples. Acho a análise sintática absolutamente inútil e dolorosa. Ninguém aprende a língua na mesa de anatomia da dita análise. Sugeri que se substituísse a análise sintática pela leitura, leitura prazerosa. Isso não muda o sistema, mas é uma pequenina sugestão. O caminho para a transformação da educação no Brasil não passa por leis e sistemas; passa pela cabeça e pelo coração dos professores. Mas já fiz uma sugestão global com um livro: A Escola com que Sempre Sonhei Sem Imaginar que Pudesse Existir (Papirus). É uma escola em Portugal, a Escola da Ponte, no Porto.

Sua avaliação de que o povo pode ser, e é, fácil e freqüentemente enganado, coisa evidente, lembra a do Pelé, que quase foi linchado porque disse que o povo não sabe votar.

Já escrevi o que penso na Folha de S. Paulo e por isso quase fui linchado: O Povo Unido Jamais Será Vencido. Eu disse: É disso que tenho medo. No Antigo Testamento o povo de Deus era tão f.d.p. que um profeta o chamou de "prostituta". Foi o povo que pediu que Jesus fosse crucificado. O povo se reunia nas praças na Idade Média para ver os hereges e judeus serem queimados. O povo elegeu Collor. O povo se vende por pouco. Jesus olhou para as multidões e teve pena delas, porque andavam desgarradas e errantes como ovelhas que não têm pastor. O povo não é motivo de qualquer esperança minha. Mas o povo é objeto do meu carinho. Por isso escrevo em linguagem que qualquer um entende.

Suas incursões pelos temas políticos não são freqüentes. Suas críticas aos políticos lhe causam problemas?

Não me causam problema porque os políticos não as lêem e não se importam. Estão acima da voz dos escritores. "Os políticos só pensam no momento", disse Guimarães Rosa. "Eu sou um escritor, eu penso em eternidades..."

Como é seu dia-a-dia? Acorda cedo? Dorme tarde? Dorme à tarde? Tem horários definidos? Ginástica? Passeios?

Meu único compromisso atual são as sessões de hidroginástica, receitadas para amenizar um problema da coluna vertebral. O resto vem ao sabor dos impulsos.

Já escreveu mais de 70 livros, a maioria depois dos 40 anos. Talvez mais de dois em média por ano. Por que produz tanto? Não seria melhor desfrutar?

Escrever, para mim, é como armar quebra-cabeças. É brincar... Viver só no desfrute é um tédio. É preciso construir alguma coisa que contribua para melhorar as pessoas e o mundo.

Professa alguma fé religiosa? Freqüenta igrejas?

Não.

O senhor foi pastor da Igreja Presbiteriana, que o maltratou muito. Isso lhe deixou mágoas?

Nenhuma mágoa. A Igreja deixou de existir na minha cabeça. De vez em quando alguém me chama de herege. Eu me divirto.

O título de sua tese de doutorado em Princeton era Towards a Theology of Liberation (Para uma Teologia da Libertação, 1969). (A lembrança é do teólogo Francisco Catão.) Então o senhor foi o primeiro a usar a expressão "teologia da libertação".

Considero isso uma honra, embora os teólogos católicos da libertação sempre me tenham olhado de banda.

Leonardo Boff (ex-frade franciscano, expoente da TL) lamentou o que classificou de "pensamento monolítico" em torno do papa. Que todos só aplaudem Roma e isso é muito ruim. O que acha?

Eu faria uma pequena transformação no texto do Boff: "Pensamento monolítico DO PAPA." O papa julga que a Igreja Católica possui a verdade, a verdade toda, e por isso ela se basta. Ecumenismo, para ele, é a conversão das outras religiões ao catolicismo. A Igreja Católica nada tem a aprender com os outros. Modesto, não?

A música é assunto recorrente em seus textos. Sei que prefere Bach e Brahms à música caipira e brega. Estudou música até que ponto?

Na manhã deste domingo, liguei a TV no programa Quem tem medo de música clássica. Foi meu momento religioso. Ouvi a Fantasia Concertante de Beethoven, para piano, orquestra e coro. Por momentos, saí do mundo. Uma felicidade. Gostaria que em nossas escolas houvesse cursos de educação dos sentidos. Poucas pessoas sabem ouvir. Ouvir é complicado porque exige que os outros sentidos sejam silenciados. Para a maioria das pessoas a música é um barulho de fundo ao qual não é necessário prestar atenção. Quis ser pianista. Deus não me deu talento. Há um salmo que diz: "Inútil te será levantar de madrugada e trabalhar o dia todo porque Deus, àqueles a quem ama, ele dá enquanto dormem." Aqueles que Deus ama não precisam madrugar. Foi-me inútil madrugar. Sofri quando descobri que não tinha talento para tocar. Mas tenho talento para ouvir. São poucos os que se dedicam à arte de ouvir. Não cai no vestibular...

Lembra-se de como começou seu interesse por literatura?

Quando menino. Depois perdi o interesse. Mas gostava de gibis e da revista X-9, policial. Depois, coisa séria: teologia, filosofia, ciência... Achava os escritores e poetas uns vadios... Mas lá pelos 40 anos, a pipoca estourou. Pipoca é um milho mirrado, impróprio para comer até que seja colocado numa panela com gordura quente. Aí, de repente, pum, e eis a pipoca. Foi assim comigo. Inventei um aforismo sobre criatividade: Ostra feliz não faz pérola... Beethoven era ostra infeliz; algo doía dentro dele. Para parar de sofrer, encheu o mundo de pérolas. Acho que foi assim comigo. O sofrimento gera a beleza

Copyright © 2007 Editora




Recent Updated: 7 years ago - Created by Mª Eugênia M. Guimarães - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - Mª Eugênia M. Guimarães
Flickr Abóboda perfeita

Embora seja frio ao toque, o gelo é um ótimo isolante térmico. Os esquimós, habitantes originais das regiões polares, fazem suas moradias com blocos de gelo. Quando o iglu é forrado interiormente com peles de foca, a habitação torna-se bastante confortável. As aves e os mamíferos se utilizavam de vários recursos para manter sua temperatura corpórea constante. Entre estes recursos está o de arrepiar os pêlos (ou penas), para formar uma camada isolante de ar entre eles. Um mergulhador ou um surfista usa a mesma idéia quando veste uma roupa de neoprene¹. A roupa propicía a formação de uma camada de água entre a pele da pessoa e a própria roupa, que irá funcionar como isolante térmico.

¹O neopreno é o nome comercial dado ao material sintético baseado no polychloroprene da família das borrachas. O neopreno foi inventado pelos cientistas Dr. que Elmer K. Bolton do laboratório de DuPont, que se basearam nas pesquisas do Prof. Julius Arthur Nieuwland, um professor de quimica na universidade de Notre Dame. A pesquisa de Nieuwland foi focada na quimica do acetileno e resultou no acetileno divinyl, uma geléia que se firma em compostos elásticos similar à borracha quando passada sobre o dicloreto de enxôfre. O neopreno (originalmente chamado de Duprene) era o primeiro composto de borracha sintética a ser produzido em massa. É usado em uma variedade larga dos ambientes, como em roupas de mergulho, da isolação elétrica, e nas correias de ventilador do carro.



"Vamos começar do começo. Imagine o homem primitivo, exposto à chuva, ao frio, ao vento, ao sol. O corpo sofre. O sofrimento faz pensar.: "Preciso de abrigo", ele diz.. Aí, forçada pelo sofrimento, a inteligência entra em ação. Pensa para deixar de sofrer. Pensando, conclui: "Uma caverna seria um bom abrigo contra a chuva, o frio, o vento, o sol..." Instruidos pela inteligência os homens procuram uma caverna e passam a morar nela. Resolvido o sofrimento, a inteligência volta a dormir. Mas aí, forçados ou pela fome ou por um grupo armado que lhes toma a caverna, eles são forçados a se mudar para uma planície onde não há cavernas. O corpo volta a sofrer. O sofrimento acorda a inteligência e faz com que ela trabalhe de novo. A solução original não serve mais: não há cavernas. A inteligência pensa e conclui: "É preciso construir uma coisa que faça às vezes de caverna. Essa coisa tem de ter um teto, para proteger do sol e da chuva. Tem de ter paredes, para proteger do vento e do frio.Com que se pode fazer um teto?" A inteligência se põe então a procurar um material que sirva para fazer o teto. Folhas de palmeira? Capim? Pedaços de pau? Mas o teto não flutua no ar. Tem de haver algo que o sustente. Paus fincados? Sim. Mas para fincar um pau é preciso descobrir uma ferramenta para cortar o pau. Depois, uma ferramenta para fazer o buraco na terra. E assim vai a inteligência, inventando ferramentas e técnicas, à medida em que o corpo se defronta com necessidades práticas. A inteligência, entre os esquimós, jamais pensaria uma casa de pau-a-pique. Entre eles não há nem madeira e nem barro. Produziu o iglu. E a inteligência do homem que vive na floresta jamais pensaria um iglu - porque nas florestas não há gelo. Produziu a casa de pau-a-pique. A inteligência é essencialmente prática. Está a serviço da vida. "

Rubem Alves, A escola da ponte
www.escola2000.org.br/pesquise/texto/textos_art.aspx?id=19


Recent Updated: 7 years ago - Created by arqtranscultural - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - arqtranscultural
Flickr Escola da Ponte.PT. Com fernando e colegas.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Jû Ferando Ane e Andrea.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. com as brasileiras.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT.Com as brasileiras...


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte. PT. Jû...


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte. PT.Classe de gim.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Tejo.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Quadra.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT.Patios


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Com meu guarda-chuvas.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Achei o guarda-chuva...


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte. PT.Romaria.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte .Sem palavras...


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT.Comedor.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte. PT.Fabio do guarda-chuva...


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Atividade...


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT.Atividade..


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT.Atividade.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Sala aula.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Sala.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Sala de aulas.


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Asambleia...


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS
Flickr Escola da Ponte.PT. Endtrada...


Recent Updated: 9 years ago - Created by CONEXÕES CULTURAIS - View

Copyright and permission to use should be sought to the author - CONEXÕES CULTURAIS